Uma vida equilibrada e bem vivida

Uma vida equilibrada e bem vivida

Um tributo a Steve Chilcraft

Tenho corrido com esforço até o fim, conservando a fé por todo o caminho. Tudo que existe atrás de mim agora é a ovação – o aplauso de Deus! Submeta-se a isso, pois ele é um juiz honesto.
2 Timóteo 4.7,8 – A Mensagem

Após a reunião do Comitê Global, em junho de 2019, Steve e três amigos com a mesma idade, incluindo eu, fizemos uma viagem de cinco dias pelas belas montanhas de Alberta-BC até as cidades costeiras de Vancouver e Victoria. Longos trechos de estrada percorridos nos fizeram falar de histórias antigas e lutar pelo controle do celular a fim de demonstrar a superioridade das nossas playlists no Spotify. Ninguém ficou surpreso que o historiador, teólogo, colecionador de selos, analista político e apoiador ávido de tudo relacionado a Milton Keyes, Steve Chilcraft, teve a melhor seleção de músicas de sucesso, que inclusive, ele conhecia de cor. 

Seu conhecimento da cultura pop não foi algo novo, já que Steve sempre demonstrou para como prosperar em nossa cultura sendo seguidor comprometido de Cristo. Ele modelou para nós uma vida equilibrada, totalmente dedicada a Deus e engajada com as complexidades e preocupações de uma cultura secularizada. Além disso, sua memória ou seu gosto musical eclético deram o tom da ocasião, embora ambos nos deixassem balançando a cabeça de vez em quando. O que nos surpreendeu foi o fato de ele cantar junto em tom e melodia, o que é mais do que poderiam fazer alguns dos cantores que ele escolheu.

Essa crítica aos artistas não se estende a Paul Simon, cujo Slip Sliding Away (1977) me pareceu uma espécie de testemunho contrário à vida de Steve. Nas letras de Simon, três pessoas com três paixões diferentes, cada uma permitindo que seus sonhos escapassem quando as provas da vida os dominavam. Embora, certamente houvesse desafios na vida de Steve, pode-se dizer enfaticamente que ele fugiu de suas paixões de todo o coração até o fim. Não houve escorregões e deslizes. Juntos, os notáveis interesses de Steve eram uma maravilha de se ver. Quem é o proprietário de uma coleção de selos que ocupa um cômodo para armazenar?

O equilíbrio notável de Steve não vinha de reprimir interesses e habilidades dados por Deus. Seu amor por selos foi balanceado por uma excelente biblioteca teológica, que por sua vez, disputou a atenção com uma maravilhosa coleção de vídeos, troféus de todo o mundo e um lindo quintal com alimentadores de pássaros e paisagismo invejável. A vida de Steve foi vivida em cores vivas e seu equilíbrio foi derivado do seu foco em Cristo, que reinou como Senhor sobre todos os seus amores e ações.

Aprendemos com Steve que o equilíbrio do cristão não é suprimir as qualidades maravilhosas e os interesses fascinantes que Deus lhe dá em favor da piedade. Pelo contrário, a piedade e a semelhança com Cristo ocorrem quando celebramos os dons vindos de Deus, fundamentando motivações e expressões nas verdades da Sua Palavra.

1. Os primeiros anos com os ministérios do Janz Team (antes de 2009)

Uma das cidades verdadeiramente bonitas da Europa, Minsk, é onde muitos dos líderes do Janz Team conheceram Steve. O ano era 2005 e agradecemos a Nigel Spencer, nosso diretor do Reino Unido, pois foi ele quem trouxe Steve para a nossa comunidade. Enquanto Nigel era a credibilidade inicial de Steve, ele rapidamente se distinguiu como conhecedor das agências missionárias e por sua contribuição para o trabalho do Reino. Seu treinamento bíblico e inclinação para ver o mundo através de uma lente teórico-histórica esclareceram nosso pensamento sobre os processos e propósitos da missão, enquanto sua simpatia amigável e graciosa fez dele um encaixe natural em nossa organização multinacional. 

Ele amava pessoas de todas as culturas e origens e era amado por elas. Pareceu-nos que Steve era um TeachBeyonder de coração e mente antes de desempenhar um papel e dever. Ninguém do pequeno grupo reunido na passarela de Minsk, há 15 anos, poderia imaginar que dentro de cinco anos a missão Janz Team seria substituída por uma nova visão, conhecida hoje como “TeachBeyond”. Além disso, ninguém, incluindo Steve, poderia pensar que essa transição se basearia extensivamente em suas qualidades de caráter, dons espirituais e experiências de vida.

2. Janz Team se torna TeachBeyond (2009-2015)

Em 2012, todos os vários ramos da antiga organização do Janz Team, exceto a Suíça, haviam se reunido sob um novo mandato educacional e um novo nome, e Steve era a chave para facilitar essa transição. Por que? Primeiro, e mais importante, porque ele estava disposto e vocacionalmente preparado para ver como Deus poderia usar o desenvolvimento de equipes e o discipulado na missão. Em outras palavras, Steve era um educador por dom e chamado. Durante a próxima década, como líder do conselho do Reino Unido e do Comitê Global da TeachBeyond, Steve nunca precisou ser pressionado a assumir o trabalho. Quando eu recomendei que ele fosse nomeado presidente do Comitê Global, seus colegas concordaram por unanimidade porque confiavam em seu julgamento, valorizavam sua vasta experiência, respeitavam seu compromisso com os valores históricos e a missão principal do Janz Team-TeachBeyond e apreciavam seu compromisso com a Igreja e a Grande Comissão. Essas foram as razões que verbalizamos, no entanto, todos sabíamos que havia outro aspecto que era pelo menos tão importante quanto essas outras qualidades: a personalidade de Steve. Os membros o escolheram para presidir por quem ele era, não apenas pelo que ele havia feito ou acreditado. Em retrospecto, foi uma decisão crucial ordenada por Deus.

Às vezes, a grandeza é medida pelo que não aconteceu e não pelo que aconteceu. Visto dessa maneira, podemos dizer que nos unimos em propósito pelos continentes. Harmonia e dedicação caracterizaram nosso trabalho. Alegria e paz estavam presentes mesmo em circunstâncias difíceis. Durante a última década de agitação dramática, não nos lembramos de uma palavra dura de Steve ou de uma expressão cruel, de uma falha em seguir o devido processo ou de um espírito teimoso e amargo. Antes, havia graça, bondade, paciência, tolerância para com os outros, honra e respeito. Essas eram as qualidades que Deus sabia que seriam exigidas da presidência, dadas as tensões que estavam por vir.

Quando ele assumiu sua posição, nenhum de nós percebeu que ele seria exatamente a pessoa certa para trabalhar conosco no desenvolvimento de nossa Constituição e em uma série de políticas e procedimentos. Um líder destacado e performático não teria tolerado o trabalho tedioso que precisava ser feito. Entre 2010 e 2015, criamos literalmente uma estante cheia de cadernos enormes e Steve ajudou o Comitê Global a trabalhar para criar os documentos fundamentais e a estrutura organizacional de que desfrutamos hoje.

A maravilhosa contribuição de Steve nessa área não se resumia em perseverança diante do tédio enfadonho. Sim, ele provavelmente levou um ano de trabalho apenas lendo e planejando sua função de presidente, ainda que também tivesse momentos de diversão à sua maneira. Isso ocorreu porque Steve era uma pessoa que valorizava profundamente a amizade e o companheirismo, os quais se tornaram correlatos surpreendentes deste trabalho detalhado. Para garantir que nossas reuniões transcorressem sem problemas, Steve e eu nos encontramos muitas vezes em Londres, onde oramos juntos pelas reuniões e pensamos no que era necessário para promover o trabalho. Cada um de nós viajava uma hora para a nossa reunião – ele de sua amada cidade Milton Keynes e eu de Horsham – e nos encontrávamos na “Friends House” do Quaker, do outro lado da rua da Estação Euston. 

Essas reuniões são algumas das lembranças mais felizes que tenho da década 2009-2019. Sempre concordamos em acrescentar cerca de duas horas ao nosso encontro, para que eu pudesse fazer perguntas sobre história, teologia, política e cultura. Sério, Steve era um assistente do Google de carne e osso que, como o Google Assistant, sabia quase tudo, e que, como o Google Assistant, nunca ficava bravo, entediado, defensivo, crítico ou ferido por qualquer coisa que eu dissesse ou perguntasse. No entanto, ao contrário do Google Assistant, seus olhos brilhavam quando falava. Isso ficava mais evidente, quando falava dos costumes sociais britânicos, que Steve podia explicar de maneira inteligente, graciosa e esclarecedora o porquê do modo britânico ser melhor do que outros. Adicione uma xícara de chá e um biscoito, e realmente não havia nada mais divertido no planeta. Isso pode parecer engraçado ou até irrelevante, mas, pensar no que não aconteceu coloca seu significado em foco: nunca houve tensão entre a cadeira e a liderança. Em vez disso, confiança, respeito, bom humor e carinho sustentaram toda a nossa interação, independentemente de estarmos discordando ou comemorando. 

    Como podemos medir a contribuição incrível que foi para nossos anos de transição?

3. Serviços do TeachBeyond Global (2015-2019)

A curiosidade e o senso de aventura de Steve provavelmente aumentaram seu entusiasmo por uma das melhores estratégias que o Comitê Global desenvolveu para criar solidariedade organizacional. Esse é o esforço que o Comitê Global faz todos os anos para realizar uma reunião prolongada em uma área em que a TeachBeyond está trabalhando. Steve foi um dos principais defensores dessa estratégia porque reconheceu a ameaça que a separação geográfica e as diferenças culturais representam para o nosso trabalho coletivo. A generosidade de muitos membros do Comitê Global e de outros colaboradores tornou possível reunir-se nessas áreas sem sobrecarregar os membros de nossa equipe ou seus projetos com o custo.

Logicamente, o Brasil estava no topo da lista para visitar, pois era o trabalho mais antigo e mais maduro. Aqui, em 2016, sob a liderança de Steve, o Conselho passou por todas as políticas em seu manual. A agenda era altamente ambiciosa, mas o trabalho foi concluído a tempo e ainda restou um dia para ver o Cristo Redentor. Minha esposa Beverley e eu tivemos o privilégio de visitar Steve, Ruth, Andrew e Rachel em sua casa, mas, para quase todos os outros, a nossa visita à grande estátua que supervisiona o Rio também foi a oportunidade de conhecer Ruth pela primeira vez. Uau! Ela foi incrível. As pessoas a amavam. Se Steve tinha dignidade, Ruth tinha exuberância, se Steve criava calma e racionalizava o irracional, Ruth inspirava os outros. Juntos eles foram a tacada certa em nosso braço organizacional.

No ano seguinte (2017), Steve liderou o Comitê Global para o Sudeste Asiático, onde nosso trabalho havia crescido bastante no espaço de alguns anos. Em mais de uma ocasião, Steve foi chamado a conhecer pessoas do alto escalão da sociedade e a dirigir-se a convidados, o que ele fez com dignidade, graça e excelência. Articulado, confortável diante de pequenos e grandes grupos, dotado de um dom para encontrar uma palavra apropriada, ele era um presidente do Conselho do qual podíamos nos orgulhar. Embora ele próprio estivesse alinhado teologicamente com o cristianismo evangélico histórico, e geralmente conservador em suas preferências pessoais, não era um radical de mente estreita que ofenderia por princípio ou usaria um púlpito para encerrar discussões. Ele completou 68 anos nessa viagem, mas sua mente e atitudes eram as de alguém com trinta anos – um fato que ele reconhecia e atribuía a seus filhos. Precisávamos de um porta-voz nesses países sensíveis que fosse moralmente conservador, mas, com espírito caloroso e acolhedor. Precisávamos de alguém que tivesse aprendido humildade, que pudesse ouvir e acenar educadamente, mesmo quando sabia mais do que seu anfitrião. No caso de Steve, isso aconteceu com frequência, por isso, somos gratos por termos tido um porta-voz tão qualificado nos representando.

Em 2017, estávamos viajando muito e seu grande amor pela aventura e curiosidade natural sobre tudo excedia a capacidade do corpo de acompanhar. Uma lesão, por exemplo, em Manilla, deixou-o abatido por vários meses, mas ele era um intrépido explorador fascinado pelas pessoas e pelo mundo que eles criaram. Em outra época, ele teria se juntado a Clive no sul da Ásia ou a Livingstone na África central. Em vez disso, ele se contentou com viagens conosco, meros mortais, como ilustra sua viagem ao oeste do Canadá no ano passado.

4. A transição final (2019-20)

Um ano antes de sua morte, quase no mesmo dia, Steve estava no Canadá realizando seu último ato importante para a TeachBeyond: liderando o Comitê Global em sua nomeação de David Durance como próximo presidente da TeachBeyond e do Dr. Eivor Oborn como sucessor de Steve no cargo de Presidente Global. Ele fez a última volta de sua corrida TeachBeyond e, como eu, estava planejando mais uma volta que faríamos juntos. Mais especificamente, imaginávamos escrever e ensinar fora do CATE Center, que ele estava ajudando a estabelecer como um campo de reflexão para o TeachBeyond. Ele havia concordado em ser um bolsista de pesquisa que exploraria temas em educação transformacional a partir de uma perspectiva teológica histórica.

Quando perguntei se algum comitê global gostaria de permanecer no Canadá após a reunião do ano passado para se juntar a mim em uma pequena excursão pelas Montanhas Rochosas do Canadá e costa oeste, Steve foi o primeiro a levantar a mão. Wolfgang Zschämisch e Alan McIlhenny juntaram-se a nós para criar um quarteto heterogêneo.. Até nossas excentricidades nos divertiram, incluindo o modesto senso de moda de Steve. Estes incluíam suas marcas: um chapéu branco, camisas de algodão desabotoadas e cabelos desgrenhados. 

Quando não estava cantando, Steve nos animava por horas com histórias que deveríamos saber. Havia bastante sorvete para nos refrescar, algo que ele gostava muito. Junto comigo e com Wolfgang, experimentamos sorvete do Rio até Manila ao longo dos anos. Ninguém aproveitou mais da viagem do que Steve, não apenas pelo cenário e senso de aventura, mas, também, pela companhia que tinha. Ele valorizou seus amigos e acho que foi especialmente assim após a morte repentina de Ruth. Esse acontecimento profundamente triste deixou em seu coração um buraco cavernoso que todos tentamos preencher, mas, de alguma maneira, não foi suficiente. Novos horizontes estavam se abrindo, e nossa esperança era que, com o tempo, houvesse cura, mas Deus tinha outro caminho.

Durante seus anos maravilhosamente frutíferos com o TeachBeyond, ele era como o apóstolo que se esforçava até o fim e se apegava à fé. Todos no TeachBeyond foram e são beneficiados por seu trabalho, um legado que nos guiará e apoiará nos próximos muitos anos. Adeus, bom amigo. Estamos tão felizes por você estar com nosso Senhor, felizes por teres sido curado e se reencontrar com Aquele que amava tão exuberantemente. Você correu duro até o fim, acreditou o tempo todo. Tudo o que resta agora são os aplausos de Deus! Espero que você também nos ouça aplaudindo, pois permanece muito admirado e amado.

George M. Durance
Silverton, Oregon
1 de julho de 2020

Traduzido por Tami Sato de Carvalhaes 

Revisado por Ednardo Duarte

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta