O que o COVID-19 nos ensina sobre nosso relacionamento com Deus?

O tempo de Deus é perfeito. É uma lição que estou aprendendo e submetendo continuamente na minha vida. Eu nem sempre gosto disso, mas Deus está cumprindo Seus propósitos em Seu caminho e tempo. Essa é uma das razões pelas quais tenho me interessado tanto no momento do coronavírus. Chegou ao coração da Quaresma deste ano, que começou na quarta-feira de cinzas, em 26 de fevereiro, e continua até 9 de abril, pouco antes do domingo de Páscoa.
É um tempo de reflexão e preparação modelado após os 40 dias de Jesus no deserto, antes de entrar no ministério público.
É um momento não destinado a punir ou fazer penitência, mas purificar, livrar-se de distrações e aprofundar o relacionamento de alguém com Deus.
Acho fascinante que o COVID-19 caia bem no coração desta estação sagrada. Claro, é a temporada tradicional de gripe, mas eu suspeito que Deus tem coisas que ele quer nos ensinar.
Primeiro, a Quaresma é um momento de admitir nossa fraqueza, de nos humilhar. O COVID-19 certamente nos ajudou nesse departamento. Há dois meses, muito poucas pessoas tinham ouvido falar do COVID-19, o Coronavírus. No entanto, algo tão minúsculo, microscópico até, transformou o nosso mundo. Isso fez o mercado de ações despencar. Escolas em todo o mundo foram fechadas; grandes eventos cancelados, até competições esportivas profissionais. Mais de 190.000 foram infectados em mais de 150 países. Os líderes declararam estado de emergência. A compra movida pelo pânico acabou com os produtos nos supermercados. Tudo isso de algo que nem podemos ver. Algo que nem conhecíamos há dois meses.
O COVID-19 nos mostrou quão fracos e vulneráveis ​​somos. Isso revela nossa falta de conhecimento. Em alguns lugares, destacou nossa falta de preparação. No mínimo, ele nos mostrou o quanto damos por garantido nossa saúde, liberdade de movimento e a capacidade de comprar o que queremos e quando queremos.

Uma das principais coisas que o reconhecimento de nossa fraqueza traz é a humildade. Está claro na Bíblia que Deus valoriza essa virtude. Miquéias 6:8 responde à pergunta – O que Deus exige de mim? Para amar a misericórdia, faça com justiça e ande humildemente com Deus. Isaías registra que todo o céu e terra não pode conter Deus, mas vive com os humildes e com aqueles que são contritos de coração. Tiago nos diz: “Deus se opõe aos orgulhosos, mas dá graça aos humildes”. Fazemos bem em reconhecer e praticar humildade.

Segundo, a Quaresma é um momento para nos livrarmos das distrações e focarmos no que é verdadeiramente importante. Aqui também o vírus atual veio em nosso auxílio. Nossos mundos parecem estar ficando cada vez menores. Em um número crescente de lugares, as pessoas só podem sair de casa para buscar comida, consultar um médico ou fazer um trabalho essencial que não pode ser feito remotamente. Fale sobre reduzir. Nós valorizamos a mobilidade e a liberdade, mas o coronavírus “cortou nossas asas” a esse respeito.

Os 40 dias de Jesus no deserto, após os quais a Quaresma é modelada, foi um tempo de solidão. O distanciamento social tornou-se tão comum quanto as mídias sociais. Reuniões de mais de 100, 50 ou mesmo 10 em alguns lugares são proibidas. Isso é especialmente difícil para os extrovertidos entre nós. Reuniões de qualquer tipo – igreja, esportes, exercícios, teatro, escola – tudo foi cancelado ou fechado. É como se Deus tivesse nos dado um jejum forçado de nossas vidas agitadas. Uma oportunidade de ficar quieto. Para ouvir. Receber, sem tantas interrupções, o que Deus tem para nós. Gostaria de saber quantos vão aproveitar esta oportunidade. Este é um momento, como Jesus, de usar a Palavra de Deus para combater as tentações e pensamentos que surgem em nosso caminho. Dizer NÃO às reivindicações do diabo e do mundo que nossos desejos físicos, desejo de ter e orgulho satisfarão. Reafirmar nosso relacionamento com Deus como a coisa mais importante em nossa vida. Para aprofundar esse relacionamento.

Finalmente, a Quaresma é um ‘tempo selvagem’ antes e, como esperamos ansiosamente, a ressurreição.

Deus criou um mundo perfeito, mas sem trazer corrupção, doença, decadência e, finalmente, morte. Os vírus fazem parte disso. Até os crentes não são isentos. A doença é uma realidade neste mundo caído. Paulo coloca desta maneira: “Pois o pecado de um homem, Adão, fez com que a morte dominasse sobre muitos. (Romanos 4:17) Enquanto estamos neste mundo, ansiamos por nos libertar dessa corrupção. Podemos dizer que este mundo é a Quaresma, e até a Sexta-feira Santa, enquanto ansiamos pelo Domingo de Páscoa! “Pois a criação foi sujeita à frustração, não por sua própria escolha, mas pela vontade de quem a submeteu, na esperança de que a própria criação seja libertada de sua escravidão à decadência e levada à liberdade e glória das crianças. de Deus Sabemos que toda a criação está gemendo como nas dores do parto até os dias atuais. Não apenas isso, mas nós mesmos, que temos as primícias do Espírito, gememos interiormente, enquanto aguardamos ansiosamente nossa adoção à filiação, a redenção de nossos corpos (Romanos 820-23). A doença é um lembrete de que o mundo não é como deveria ser. Nossa salvação incluirá a restauração de nossos corpos. Essa redenção completa ainda está por vir. Seremos dados ressuscitados e novos corpos (Filipenses 3:20, 21).

Encorajo-vos a passar um tempo com Deus e em silêncio, solidão e quietude neste vírus / estação emprestada. Pergunte a Deus o que Ele tem para você. Procure sua presença de maneiras novas, talvez menos distraídas. Vai demorar muito para lembrar.

Mark Giebink – Diretor Global de Atendimento a Membros da TeachBeyond

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta