Para Além de ‘Plandemic’: Uma resposta cristã às conspirações

Reproduzimos aqui um texto sobre o grave problema das “teorias” de conspiração em meio à pandemia, publicado originalmente no site da Fundação BioLogos. Não obstante seu conteúdo esteja condicionado pelo contexto norte-americano, os leitores certamente reconhecerão que a realidade nele retratada, infelizmente, em muito se assemelha à que observamos em nosso país. Ao endossar as advertências quanto às questões médico-científicas aqui referidas, reafirmamos também nosso compromisso de promover “ciência sólida, no serviço amoroso a Deus e ao nosso próximo”.

Se seus feeds de notícias nas redes sociais são como os nossos, então eles foram inundados de teorias conspiratórias sobre o coronavírus e sobre a resposta do nosso governo a ele. Vemos muitos de nossos amigos cristãos considerando teorias conspiratórias — se não acreditando nelas, pelo menos ouvindo-as. Por que conspirações são tão atraentes agora?

O vídeo Plandemia  ganhou grande atenção com suas falsas alegações sobre a pandemia de COVID-19. O filme é estrelado por Judy Mikovits, que já foi uma pesquisadora médica legítima, mas desde então caiu em descrédito com o establishment científico. Ela promove a visão de que as vacinas são prejudiciais e que o novo coronavírus foi manipulado por engenheiros genéticos. O vídeo foi removido do YouTube (o que para alguns apenas fornece evidências de quão profunda é a conspiração!). E não demora muito para descobrir que o trabalho de Mikovits  foi devidamente desacreditado.

Também na semana passada, houve uma imagem viral circulando pelo Facebook alegando que nenhum funcionário do Walmart, Amazon, Target, Costco ou Kroger [grandes lojas de departamento norte-americanas] testou positivo para COVID-19, por isso é ridículo que as pequenas empresas tenham que permanecer fechadas. É tão fácil fazer ou compartilhar tal gráfico, e “parece correto” para as pessoas que estão frustradas que as empresas estejam sob restrição. Mas uma rápida verificação de fatos mostrou várias agências de notícias reportando que muitos Walmarts se tornaram epicentros da COVID e tiveram que ser fechados.

Desejaríamos que esse tipo de conspiração e a disseminação de informações falsas e perigosas se limitassem a amigos do Facebook e grupos marginais. Mas, infelizmente, este não é o caso — líderes cristãos também estão alimentando as chamas.


Quando conspirações são alimentadas por cristãos

Como exemplo, há vários dias, um líder sênior de uma proeminente organização cristã enviou um e-mail “urgente” sobre a pandemia. Ele deixou claro que não falava em nome de seu empregador ou organização, mas sua plataforma e credibilidade com seu público vem de lá. Seu e-mail de 2700 palavras estava cheio de avisos em caixa alta e conspirações sobre “pessoas muito más” empurrando “ciência falsa e medicina falsa” na população. Seu principal argumento é que o Dr. Anthony Fauci  e outros estão envolvidos em uma “farsa globalista” demoníaca para enganar e controlar a população para estabelecer as bases para uma “nova ordem mundial”. Adicione a isso alguns links como uma palestra sobre os Illuminati, (“isso não é teoria da conspiração, mas fato de conspiração”) e uma revelação auto-filmada sob um banner QAnon, [teoria da conspiração relacionada a extrema-direita americana] e… bem, você tem um e-mail e tanto. O e-mail não só continha conselhos que contradizem diretamente o consenso esmagador de cientistas e especialistas em saúde pública, mas também pede orações para que “as pessoas se levantem em desobediência civil pacífica” contra tais diretrizes.

Quando os líderes cristãos insistem em rejeição de medidas de saúde pública, precisamos ser francos sobre o impacto que suas palavras podem ter. Um modelo influente da Universidade de Washington citado pela Casa Branca recentemente dobrou a estimativa de mortes por coronavírus até agosto para surpreendentes 137.000 (com a estimativa pessimista se aproximando de 250 mil!), em grande parte devido à diminuição do distanciamento social e ao aumento do total de mortes. Isso é sério e ameaça várias vidas.

A desinformação sobre coronavírus recentemente chegou a estágios ainda maiores. A conferência Q Ideas atrai milhares de líderes cristãos todos os anos para ouvir palestras no estilo TED dos líderes e pensadores cristãos mais proeminentes do mundo, com milhares mais alcançados online por vídeos de conversas passadas. Aplaudimos muito do que a Q Ideas fez ao longo dos anos, com análises reflexivas de questões culturais complexas a partir de uma perspectiva cristã. Infelizmente, este ano algumas das falas ficaram muito aquém, e de forma perigosa para a saúde pública. A liderança da Q mudou o evento deste ano para ocorrer apenas no ambiente virtual, anunciando-o como uma oportunidade para equipar cristãos para o nosso momento de pandemia atual. No entanto, duas das mais proeminentes falas, que ganharam o dobro do tempo das demais, foram de oradores que forneceram um impressionante bombardeio de teorias da conspiração e alegações já há muito desmascaradas.

Uma dessas falas foi uma entrevista que o fundador da Q Ideas, Gabe Lyons, teve com Robert F. Kennedy Jr. , um conhecido ativista antivacinação. Nela, Kennedy afirmou sem contestação uma série de falsidades há muito desmascaradas sobre vacinas, desde a alegação de que vacinas não são testadas com segurança ou com placebo (são), até alegações de que as vacinas envenenam crianças e causam autismo (não causam). Em outra conversa com o dobro do tempo das demais, Josh Axe, um quiropraxista e naturopata que vende suplementos nutricionais on-line, destacou os poderes curativos de vários remédios “naturais”, que ele vende como reforços imunológicos biblicamente obrigatórios. “Deus criou seu corpo para ser capaz de combater vírus”, disse Axe. “Você só tem que seguir sua Palavra e seguir os princípios da Bíblia” — princípios que, segundo Axe, incluem o uso de óleos, suplementos de ervas e pensamentos felizes. Ao seguir esta receita, mostraremos que temos fé em Deus, em vez de “fé em uma pílula ou em uma injeção” — uma tradução perturbadora da velha dicotomia fé-versus-ciência para o campo da medicina. Lyons deu apoio entusiasmado a essas falas (“nós… temos outra opção para combater vírus do que apenas depender da medicina)” e defendeu a divulgação dessas ideias (para que qualquer um possa decidir se “achamos que é verdade ou achamos que não é verdade”).

Não questionamos a motivação dessas pessoas. Achamos que eles realmente acreditam que estão fornecendo um serviço importante para espalhar a verdade. E concordamos com muitas de suas convicções cristãs. Mas, infelizmente, neste assunto eles estão minando a confiança do público nas mesmas pessoas que estão tentando nos manter seguros. Em nosso recente livestream  com o fundador da BioLogos e diretor do Instituto Nacional de Saúde (NIH), Francis Collins, ele referiu-se elogiosamente a seu “querido colega e amigo” Anthony Fauci, com quem fala diariamente, como “o mais notável especialista em doenças infecciosas do mundo”. “Então, quando Tony responder a pergunta, ouça com atenção”, disse Collins. “Você vai ter o furo de reportagem. Tony é um contador de verdades”. Que pena que Fauci se tornou o foco de tantas conspirações equivocadas.

Como a revista Christianity Today relatou há algumas semanas, os cristãos parecem desproporcionalmente suscetíveis a desinformação e conspirações sobre o COVID-19. Isso se deve, sem dúvida, à forma como as ideias são embaladas nas guerras culturais em nosso país. Os cientistas e seus conhecimentos foram colocados lado a lado com outros acadêmicos e causas de esquerda. E todos nós estamos programados para encontrar afinidade com os grupos com os quais nos identificamos.


Respondendo com Ciência

Não é difícil ver como teorias conspiratórias podem ser atraentes em épocas como a que vivemos. Um mundo complexo inevitavelmente deixa lacunas em nosso entendimento finito. Mas uma “boa” teoria da conspiração pode preencher todas as lacunas, todas as incógnitas, conjurando forças invisíveis, motivos secretos e agentes duplos. (Você já viu um teórico da conspiração do 11 de setembro dizendo que ainda existem algumas contradições e lacunas explicativas que ele não foi capaz de descobrir?) Há um apelo implícito ao nosso orgulho humano, também — quem não iria gostar de ter o ego massageado por “saber” o que a maioria não sabe, de vislumbrar por detrás da cortina, de ser mais inteligente — ou pelo menos mais perspicaz — do que os melhores cientistas do mundo?

Também não podemos dizer que os defensores de ideias marginais não são inteligentes. O químico Linus Pauling  foi um dos maiores cientistas de todos os tempos, mas passou os últimos anos de sua vida defendendo que grandes doses de vitamina C intravenosa eram um tratamento eficaz para o câncer — uma ideia que ele defendeu até sua própria morte (ironicamente, embora tragicamente, de câncer). Pauling era um verdadeiro gênio e construiu argumentos apaixonados que nós, não especialistas, dificilmente poderíamos refutar. E, no entanto, de modo crucial, ele foi incapaz de reunir evidências científicas para convencer a comunidade científica mais ampla da qual ele fazia parte.

Quando nós da BioLogos priorizamos as visões de consenso da comunidade científica credenciada, não o fazemos porque achamos que qualquer cientista é infalível. Fazemos isso precisamente porque sabemos que não são. Os processos minuciosos da comunidade científica, desde uma rigorosa revisão por pares até questionamentos pontuais em uma conferência científica profissional, não teriam razão de existir se os cientistas (pelo menos coletivamente) não estivessem conscientes de sua própria capacidade de cometer erros e de ignorar explicações concorrentes. E embora nenhum desses processos sejam, por si só, garantias de infalibilidade, eles são os melhores métodos que temos para eliminar erros e concordar em torno das explicações científicas mais prováveis de serem verdadeiras. O que é incrível sobre a ciência é que ela está continuamente se auto-corrigindo. Erros científicos são corrigidos por outros cientistas — quase nunca por um comentarista de poltrona sentado na frente de uma webcam.


Respondendo com Fé

Confiar na expertise pode soar elitista, mas está fundamentado no princípio bíblico de que temos dons diferentes. 1 Coríntios 12:14-26 nos lembra que todas as partes do “corpo”, das mais proeminentes às mais negligenciadas, servem a um papel essencial como parte do todo maior. Não há espaço no cristianismo para desdém frente ao humilde e muitas vezes ingrato trabalho de profissionais do saneamento, produtores rurais e caminhoneiros. Mas também não há espaço para descartar o papel essencial de cientistas, médicos e especialistas em saúde pública. Todos nós temos um papel a desempenhar:

“O olho não pode dizer à mão: “Não preciso de você!” Nem a cabeça pode dizer aos pés: “Não preciso de vocês!”… Mas Deus estruturou o corpo dando maior honra aos membros que dela tinham falta, a fim de que não haja divisão no corpo, mas, sim, que todos os membros tenham igual cuidado uns pelos outros.  Quando um membro sofre, todos os outros sofrem com ele; quando um membro é honrado, todos os outros se alegram com ele.”

Como mordomos do poder de nossa influência em cada post no Facebook e em cada retweet, devemos lembrar que não estamos seguindo o comando de Jesus para sermos “prudentes como as serpentes” se formos influenciados pela manipulação emocional de uma teoria da conspiração ou de um vídeo bem produzido. E não somos “inofensivos como as pombas” se espalharmos desinformação ou semearmos confusão no meio de uma emergência global de saúde.

Nós percorremos um longo caminho desde o mundo dos escribas medievais, até a imprensa, até o nosso mundo atual de retweets, blogs, documentários do YouTube e e-mails em massa. As fronteiras do nosso conhecimento cresceram exponencialmente e, ainda assim, muitas vezes parece que cada grão de verdade é diluído em um mar de desinformação. Os algoritmos das plataformas de mídia social são projetados especificamente para aumentar o engajamento (e, portanto, a receita de anúncios) recompensando conteúdo emocionalmente carregado. Ironicamente, enquanto os teóricos da conspiração protestam se suas ideias são “censuradas”, a realidade é que as inúmeras vozes contraditórias contribuem para o que tem sido chamado de “censura pelo barulho” que abafa informações reais.

Na última década, a fundação BioLogos e os numerosos cientistas, estudiosos bíblicos e líderes cristãos em nossa rede trabalharam duro para mostrar que ciência de qualidade e a fé bíblica podem andar juntas em uma harmonia mutuamente enriquecedora. Ao longo dos anos, abordamos uma série de questões difíceis, da evolução à edição de genes às mudanças climáticas. Mas a urgência da crise atual dá um lembrete gritante de porque precisamos tanto da boa ciência quanto da fé cristã responsável.

Em um mundo de conspirações e desinformação, estamos conseguindo oferecer podcasts e artigos de cientistas de primeira linha. Tivemos novos insights do estudioso do Antigo Testamento John Walton sobre o livro de Jó e como ele pode reformular nosso pensamento sobre esses pedaços caóticos do mundo de Deus. Dezenas de milhares de pessoas assistiram nossa conversa ao vivo com o diretor do NIH Francis Collins. E produzimos vários outros  artigos  e  podcasts  sobre o tema (você pode encontrá-los todos navegando pela seção de Recursos com a tag coronavirus).

Estamos trabalhando duro em conteúdos como estes porque estamos convencidos de que isso é necessário agora mais do que nunca. Nosso objetivo é promover uma fé cristã que seja profunda e relevante para nossos tempos — moldada por uma leitura cuidadosa das Escrituras e da tradição cristã, e informada pelo melhor da ciência contemporânea.

Nos comprometemos mais uma vez a encontrar fontes respeitáveis, vetando alegações errôneas, lutando contra a desinformação, e promovendo ciência sólida, no serviço amoroso a Deus e ao nosso próximo.

Publicado originalmente aqui.
Publicado também na Associação Brasileira de Cristãos na Ciência.
Tradução Tiago Garros

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta